HOME O PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA MINHA SAÚDE LOCALIZADOR DE FARMÁCIAS PERGUNTAS E RESPOSTAS   COMPARTILHE        
  LOGIN | CADASTRO

27/02/2019

Carnaval é uma época de folia, reencontros, novos amores e muita diversão. Para que a diversão seja completa, alguns cuidados devem ser tomados quando o assunto é Herpes, uma doença infecciosa que pode ser transmitida com bastante facilidade nesta época.¹

 

O Dr. Paulo Afonso Santos, médico urologista  (CRM – RJ 72372-0), membro da Sociedade Brasileira de Urologia e gerente médico da GSK, foi convidado para falar sobre esta doença que apresenta grande recorrência em diversas faixas etárias.

 

‘’Herpes simples é uma infecção viral comum que pode ser caracterizada em herpes tipo 1 e herpes tipo 2 sendo transmitido por contato oral ou sexo desprotegido’’, relata o especialista.

 

Ele adverte que as  pessoas que apresentam o sistema imunológico mais debilitado ficam mais suscetíveis a essas infecções nesse período festivo devido à má alimentação e à alta ingestão de bebidas alcoólicas.

 

Os sintomas mais comuns são ardor e dor no local que antecedem a formação das lesões. Para o  tratamento do herpes são indicados medicamentos que possuam a capacidade de diminuir o tempo de recidiva e previnir o aparecimento de doenças.²

Para o urologista, alguns cuidados auxiliam na prevenção, como manter relações sexuais protegidas, evitar contato direto com locais lesionados e evitar utilizar objetos íntimos de terceiros.

 

E se o herpes aparecer? Tratamentos

 

O Dr. Paulo Afonso Santos  reforça que só o médico poderá indicar qual o melhor tratamento para cada caso. “É importante que, ao surgirem os sintomas, o paciente procure imediatamente o médico para o diagnóstico e tratamento adequados”, diz o especialista.

BR/PP/0012/19

  1. SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Herpes. 2017. Disponível em: <http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/herpes/68/>. Acesso em: 20 fev. 2019.

 

  1. PENELLO, AM. et al. Herpes Genital. J bras Doenças Sex Transm, 22(2): 64-72, 2010.

 

 

ANTERIOR
TOSSE E ORIENTAÇÕES AO PACIENTE
PRÓXIMO
A importância do dispositivo inalatório
COMPARTILHE
Embedded WhosOn: Insert the script below at the point on your page where you want the Click To Chat link to appear>