HOME O PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA MINHA SAÚDE PERGUNTE AO ESPECIALISTA LOCALIZADOR DE FARMÁCIAS PERGUNTAS E RESPOSTAS   COMPARTILHE        
  LOGIN | CADASTRO

05/10/2021

A asma é uma doença caracterizada pela inflamação crônica das vias aéreas inferiores. Os principais sintomas associados são: falta de ar ou dificuldade para respirar, sensação de aperto no peito, chiado e tosse. 1, 2

Alguns fatores estão relacionados ao desenvolvimento da asma, entre eles a predisposição genética e exposição ambiental às substâncias alérgicas e irritantes.2

Os gatilhos mais comuns que induzem a asma incluem o contato com ácaros, fungos, pólen, pelos de animais, vírus, poluição ambiental, cigarro e mudanças climáticas.3

Pacientes com asma desenvolvem, com maior frequência, os sintomas da doença durante a noite. Os sintomas noturnos da asma podem ser induzidos pelo aumento da exposição às substâncias alérgicas, ciclo biológico, posição para dormir, entre outros fatores associados ao sono.4

Quais principais fatores associados à asma durante a noite?

O ciclo noturno, especialmente durante o sono, apresenta uma queda acentuada do fluxo expiratório. Vários são os fatores responsáveis pela queda da ventilação pulmonar durante o sono, entre eles: redução das atividades metabólicas do corpo, alterações pulmonares e perda de estímulo para respirar.4

Os sintomas geralmente ocorrem de madrugada, comprometendo a qualidade do repouso e, consequentemente, a qualidade de vida dos asmáticos.4

Outros fatores também podem estar relacionados à asma noturna:

Alérgenos: à noite, pacientes asmáticos ficam em contato com as substâncias alérgicas presentes no colchão, travesseiro e cortina. Além disso, o contato diurno com os alérgenos pode provocar uma resposta tardia, eventualmente durante a madrugada.5

Refluxo: existe uma associação entre asma e refluxo gastroesofágico (RGE). Estudos apontam maior prevalência de RGE em asmáticos do que em pessoas sem o diagnóstico da doença. O aumento do refluxo durante o período noturno está associado a jantares abundantes pouco antes de dormir, dificuldade de digestão quando o corpo permanece em posição horizontal, tabagismo e estresse.6

Apneia do sono: a síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS) caracteriza-se por episódios de obstrução completa ou parcial das vias aéreas superiores que ocorrem durante o sono. Tem-se observado que a apneia durante o sono é comum em asmáticos.7

Cortisol: durante a noite, ocorre uma menor produção de cortisol endógeno - hormônio importante para o funcionamento respiratório. Sua ação anti-inflamatória brônquica concentra o pico de ação de manhã, com níveis baixos no período noturno. Sendo assim, as quedas de cortisol são capazes de favorecer os agentes de indução dos sintomas.8

Diversos fatores contribuem para que as crises asmáticas se desenvolvam durante a noite. Embora a asma não tenha cura, ela pode ser controlada com tratamento médico adequado, permitindo que a pessoa tenha uma vida normal e saudável.

Sendo assim, é importante observar se os sintomas pioram durante o sono e buscar ajuda médica para verificar as causas das crises. Não deixe que a asma interfira no seu bem-estar! Informe-se com seu médico sobre possíveis tratamentos e mantenha a qualidade de vida que você merece.

Referências:

  1. PIZZICHINI, Marcia Margaret Menezes et al. Recomendações para o manejo da asma da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia-2020. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 46, n. 1, 2020.
  2. STIRBULOV, Roberto. IV diretrizes brasileiras para o manejo da asma. Números, 2020. Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/jornaldepneumologia.com.br/pdf/Suple_114_39_textoasma.pdf. Acesso em: 28 set. 2021.
  3. CAMARGOS, Paulo Augusto Moreira et al. Asma e rinite alérgica como expressão de uma única doença: um paradigma em construção. Jornal de Pediatria, v. 78, p. 123-128, 2002.
  4. ARAÚJO, Deisiane Lima et al. Avaliação da qualidade do sono e da qualidade de vida na asma. Arquivos de Asma, Alergia e Imunologia, v. 2, n. 3, p. 107-111, 2014.
  5. TELLES FILHO, Pierre d’Almeida. Asma brônquica. 2020. Disponível em: http://www.asmabronquica.com.br/PDF/TNF.pdf. Acesso em: 28 set. 2021.
  6. MARTINS, Mílton de Arruda. Asma e refluxo gastroesofágico. Jornal Brasileiro de Pneumologia, [S.L.], v. 33, n. 2, p. 1-2, abr. 2007. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s1806-37132007000200002. Acesso em: 28 set. 2021.
  7. SALLES, Cristina; TERSE-RAMOS, Regina; SOUZA-MACHADO, Adelmir; A CRUZ, Alvaro. Obstructive sleep apnea and asthma. Jornal Brasileiro de Pneumologia, [S.L.], v. 39, n. 5, p. 604-612, set. 2013. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s1806-37132013000500011. Acesso em: 28 set. 2021.
  8. JANSEN, JM., et al. Cronobiologia e asma noturna. In: JANSEN, JM., et al., orgs. Medicina da noite: da cronobiologia à prática clínica [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2007, pp. 187-209. ISBN 978-85-7541-336-4

NP-BR-FPS-PSP-210003

País permitido publicação: Brasil

ANTERIOR
Qual a importância de seguir a receita médica para o uso de antibióticos?
PRÓXIMO
Como identificar a rinite?
COMPARTILHE