HOME O PROGRAMA QUALIDADE DE VIDA MINHA SAÚDE PERGUNTE AO ESPECIALISTA LOCALIZADOR DE FARMÁCIAS PERGUNTAS E RESPOSTAS   COMPARTILHE        
  LOGIN | CADASTRO

06/10/2021

A rinite é uma doença caracterizada por uma irritação e inflamação da mucosa do nariz. Os sintomas, na maioria das vezes, aparecem quando as pessoas entram em contato com substâncias ou microorganismos capazes de provocar reações no corpo.1

Quando os sintomas duram entre 7 e 10 dias, a rinite é classificada como aguda. Já na rinite crônica, os sintomas persistem por meses. Além disso, a rinite subdivide-se em três grupos, dependendo da causa:

  • Rinite alérgica:

A reação é causada após exposição às substâncias alérgicas.

  • Rinite não-alérgica:

Sua causa está relacionada aos vírus, bactérias e fungos.

  • Rinite mista:

Há mais de um agente causador, como os microorganismos e substâncias alérgicas.2

O que causa a rinite?

Existem inúmeras substâncias no meio ambiente que são consideradas alergênicas, ou seja, podem desencadear diversas reações no corpo. Os agentes causadores mais comuns são: 

  • pólen;
  • poeira;
  • alergia alimentar;
  • fatores genéticos;
  • agentes poluentes;
  • produtos químicos;
  • mudanças de clima;
  • fungos, vírus, bactérias e ácaros.

Esses agentes patogênicos possuem origens variadas e contribuem para potencializar os sintomas da rinite.3

Quais os principais sintomas da rinite?

As principais reações da rinite costumam aparecer logo após o contato com os agentes causadores. Assim, as crises alérgicas são responsáveis por uma série de sintomas, entre eles:

  • coriza;
  • falta de ar;
  • dor de cabeça;
  • espirros frequentes;
  • coceira no nariz e olhos;
  • congestão nasal e obstrução da narina.4

  quais os sintomas da rinite viver mais gsk

Qual o tratamento para a rinite?

A abordagem para tratar a rinite inclui promover a prevenção e o alívio dos sintomas, além de se obter o controle da doença. Portanto, evitar o contato com as substâncias alérgicas é fundamental para ficar livre das crises.3

Para isso, maper o ambiente limpo e ventilado, sem acúmulo de poeira contribui para evitar a rinite. Também não é indicado consumir alimentos potencialmente alérgenos, bem como evitar a exposição aos produtos químicos.3

Além disso,  lavar o interior do nariz com solução salina e o uso de medicamentos anti-inflamatórios intranasais e anti-histamínicos ajudam no controle da rinite.3

Mas antes de começar qualquer tratamento é preciso consultar os médicos especialistas na doença. Os mais indicados são os imunologistas, alergistas, otorrinolaringologistas e clínicos gerais.

Telemedicina para o tratamento da rinite

No momento em que o mundo vive a pandemia do novo coronavírus, diferenciar os sintomas da rinite e da Covid-19 é importante para evitar idas desnecessárias aos hospitais.5

Nesse contexto, muitos médicos utilizam a telemedicina para prestar o primeiro atendimento aos pacientes, sem que eles corram riscos de infecção por outras doenças. O médico, no uso de sistemas de telemedicina, pode diferenciar o quadro clínico de rinite e de Covid-19 e, após a consulta, fazer o encaminhamento necessário para exames e futuros tratamentos.5

Os sintomas da rinite podem trazer muitas complicações para a rotina em geral, agravando distúrbios do sono, reduzindo produtividade e alterando a qualidade de vida das pessoas.4

Portanto, perceber as reações que acontecem no corpo após o contato com diversas substâncias é uma forma de prevenir a rinite.

Procure um especialista para o diagnóstico correto e viva sem crises alérgicas. É possível controlar a rinite praticando o autocuidado.

Referências:

  1. RODRIGUES, Cidália; DE SANTIS, Michele; ARROBAS, Ana Maria. Rinite alérgica e doenças associadas. Revista Portuguesa de Pneumologia, v. 15, n. 5, p. 891-898, 2009.
  2. FRIED, Marvin. Rinite. 2020. Manual MSD. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-do-ouvido,-nariz-e-garganta/doen%C3%A7as-do-nariz-e-dos-seios-paranasais/rinite. Acesso em: 26 abr. 2021.
  3. CAMELO-NUNES, Inês Cristina; SOLÉ, Dirceu. Rinite alérgica: indicadores de qualidade de vida. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 36, n. 1, p. 124-133, 2010.
  4. IBIAPINA, Cássio da Cunha et al. Rinite alérgica: aspectos epidemiológicos, diagnósticos e terapêuticos. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 34, n. 4, p. 230-240, 2008.
  5. CAETANO, Rosângela et al. Desafios e oportunidades para telessaúde em tempos da pandemia pela COVID-19: uma reflexão sobre os espaços e iniciativas no contexto brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, p. e00088920, 2020.

NP-BR-FLF-PSP-210002

Países permitidos a publicação: Brasil

 

 

ANTERIOR
Por que a asma piora à noite?
PRÓXIMO
Alopecia Androgenética
COMPARTILHE